Scroll to top

Rio Branco


Brazil

info_white

For more information about our work with Rio Branco, please contact the focal point, Lara Caccia

As a city located near the world’s largest rainforest, Rio Branco advocates for taking care of forests and the environment in order to improve the lives of people.

Over the last decade, Rio Branco has experienced a significant transformation. Rio Branco is implementing its revised Master Plan, which seeks to improve quality of life through several policies:

  • Planting more than 3,000 trees each year along public streets.
  • Establishing more urban parks, reaching a total area of 2 million square meters, with a focus on linear parks in the city’s valleys.
  • Maintaining green infrastructure in more than 200 sites around the city, including squares, parks, roundabouts, flower beds, avenues and bike lanes.
  • Establishing the highest rate of bike lanes per capita among Amazonian Brazilian cities.
  • Renovation of the public transport fleet, ensuring accessibility for users with disabilities and subsidized fare for more than 70,000 students.
  • Integrating irregular settlements into the city.

Rio Branco recognizes that in the face of the challenges posed by climate change, environmental issues must be a priority for local governments. By joining the Cities4Forests network, the city seeks to broaden the connection between city and forest, a notion already rooted in local culture and public policies.

“Being part of Cities4Forests is another step to strengthen our commitment to protecting and restoring forests. The sustainable development of our society can only be assured by guaranteeing the sustainability of our natural environment.”

Socorro Neri

Mayor of Rio Branco

INNER FORESTS

Rio Branco is the capital of the State of Acre, the westernmost state of the northern region of Brazil. Most of Rio Branco’s population is urban (92%), more than the state (73%) and national (84%) averages. The city administration must act to manage the growing urban population and avoid potential conflicts with the preservation of green areas and urban forests.

Rio Branco has 4.7 trees per kilometer of public streets – below the rate recommended by the Brazilian Society of Urban Forestation, of 100 trees per km. On the other hand, thanks to the city’s many squares and urban parks, Rio Branco has 10 square meters of green areas per inhabitant, one of the highest rates in North Brazil and close to the recommendation of the World Health Organization (12 square meters per inhabitant).

The City of Rio Branco recognizes the need for investments in relevant sectors (such as maintenance of urban parks and green areas, creation of new green spaces, expansion and modernization of support infrastructure, increasing urban vegetation, and the recovery of degraded Permanent Preservation Areas) in order to improve and extend the forests-city relationship.

NEARBY FORESTS

Rio Branco is at the heart of the Amazonian Rainforest, in a region that connects Brazil, Bolivia, and Peru, which makes the area strategic for regional integration. The urban area of Rio Branco represents only 2% of the municipal territory – the other 98% is rural area.

Rio Branco’s planning and public policies prioritize forests. Together with its Master Plan, the city developed the Economic, Environmental, Social and Cultural Zoning Plan. The plan optimizes the use of natural and socioeconomic resources by valuing local rural communities’ contributions, stories and culture. It is a key tool to guide urban planning policies and stimulate the conservation of nearby forests.

Due to these efforts, 69% of Rio Branco’s territory is covered by forests (INPE- Brazilian National Space Agency, 2018). Of this total, 30.4% are Protected Areas established by municipal laws, which are also part of the National System of Conservation Units.

Diante das alterações resultantes das mudanças climáticas, a questão ambiental deve ser uma prioridade nas administrações públicas. Em sua experiência histórica secular, os rio-branquenses aprenderam que cuidar das florestas e do meio ambiente é, em primeira e última instância, a melhor maneira de cuidar das pessoas, daqueles que aqui vivem e amam a Cidade.

Na última década, Rio Branco passou por uma transformação urbanística radical. Vem implantando seu Plano Diretor, recém revisado, melhorando a qualidade de vida da população em diversos aspectos:

  • Reduziu o índice de irregularidade fundiária no perímetro urbano;
  • Consolidou a maior malha cicloviária per capita de cidades da Amazônia Brasileira;
  • Ampliou a quantidade de Parques Urbanos, de cinco para dez, com uma área total de mais de 2 milhões de m², especialmente com a implantação de parques lineares em fundos de vale;
  • Renovou a frota do transporte coletivo, com 100% de acessibilidade garantida para os usuários com deficiências e subsidia tarifa social para mais de 70.000 estudantes;
  • Planta, em média, mais de 3 mil árvores por ano ao longo das vias públicas;
  • Realiza manutenção permanente do paisagismo de mais de 200 pontos da Cidade, como praças, parques, rotatórias, canteiros, avenidas e ciclovias.

A adesão ao movimento Cities4Forests é entendida, pela gestão municipal, como uma possibilidade de ampliar a relação cidade-floresta, conceito que já é arraigado na cultura local e nas políticas públicas implementadas por Rio Branco.

“Integrar o Cities4Forest se constitui em mais um passo para fortalecer o compromisso de Rio Branco com as florestas. O desenvolvimento sustentável da sociedade apenas poderá ser feito assegurando a sustentabilidade do meio ambiente.”

Socorro Neri

Prefeita de Rio Branco

FLORESTAS INTERNAS

A atual taxa de urbanização de Rio Branco é de 92%, superior à média estadual (73%) e à nacional (84%). Na Capital, vive 46% do total da polução do estado do Acre. Neste contexto, a cidade de Rio Branco precisa ficar atenta para que o aumento da densidade populacional na área urbana não seja conflituoso com a manutenção de suas áreas verdes e de florestas internas.

Dados oficiais anunciam que Rio Branco possui 4,7 árvores/km de via pública, índice muito abaixo, quando considerado o recomendado pela Sociedade Brasileira de Arborização Urbana (SBAU) que é de 100 árvores/km.

Em que pese a Cidade não possuir tantas árvores ao longo de suas vias, seu Índice de Áreas Verdes (IAV) é de 10m²/habitante, um dos maiores da Região Norte, ficando muito próximo do que é recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), 12m²/habitante. O IAV de Rio Branco se mantém alto devido à existência de um complexo de praças e parques urbanos.

Esses dois indicadores medem a quantidade de árvores e áreas verdes de uma cidade, mas indiretamente estão relacionados com a qualidade de vida da população, pois viver em uma área urbana com espaços verdes tem um impacto positivo no bem-estar mental dos habitantes de uma cidade, além de trazer benefícios à saúde pública dessa população.

Reconhece-se a necessidade de investimentos expressivos nas áreas urbanas por meio da manutenção dos parques urbanos; da criação de novos espaços verdes; ampliação e modernização da infraestrutura de suporte e manutenção das áreas verdes; aumento da cobertura da vegetação urbana e recuperação de Áreas de Preservação Permanentes (APPs) degradadas, de maneira que a relação floresta-cidade seja ampliada.

FLORESTAS PRÓXIMAS

O município de Rio Branco está localizado bem no coração da Floresta Tropical Amazônica em uma área de integração entre o Brasil, a Bolívia e o Peru, o que torna esta região estratégica para a integração regional.

A área urbana de Rio Branco, compreende apenas 2% do total do Munícipio, ou seja, os outros 98% do território é área rural.

O planejamento e as políticas públicas elaboradas pelo Município, priorizam as florestas. Além do seu Plano Diretor, Rio Branco possui o Zoneamento Econômico, Ambiental, Social e Cultural (ZEAS) elaborado para otimizar o uso dos recursos naturais e socioeconômicos a partir das culturas e histórias das comunidades rurais, é uma ferramenta de planejamento territorial fundamental para orientar as políticas do setor e auxiliar a conservação das florestas.

Em função desta priorização e esforços, Rio Branco tem 69% do seu território coberto por florestas (INPE, 2018), sendo 30,4% constituídas por leis municipais em Áreas Protegidas, as quais também integram o Sistema Nacional de Unidades de Conservação.

To apply for this job email your details to gary@revolve.media