Scroll to top

Rio Branco


Brazil

info_white

For more information about our work with Rio Branco, please contact the focal point, Lara Caccia

As a city located near the world’s largest rainforest, Rio Branco advocates for taking care of forests and the environment in order to improve the lives of people.

Over the last decade, Rio Branco has experienced a significant transformation. Rio Branco is implementing its revised Master Plan, which seeks to improve quality of life through several policies:

  • Planting more than 3,000 trees each year along public streets.
  • Establishing more urban parks, reaching a total area of 2 million square meters, with a focus on linear parks in the city’s valleys.
  • Maintaining green infrastructure in more than 200 sites around the city, including squares, parks, roundabouts, flower beds, avenues and bike lanes.
  • Establishing the highest rate of bike lanes per capita among Amazonian Brazilian cities.
  • Renovation of the public transport fleet, ensuring accessibility for users with disabilities and subsidized fare for more than 70,000 students.
  • Integrating irregular settlements into the city.

Rio Branco recognizes that in the face of the challenges posed by climate change, environmental issues must be a priority for local governments. By joining the Cities4Forests network, the city seeks to broaden the connection between city and forest, a notion already rooted in local culture and public policies.

“Being part of Cities4Forests is another step to strengthen our commitment to protecting and restoring forests. The sustainable development of our society can only be assured by guaranteeing the sustainability of our natural environment.”

Socorro Neri

Mayor of Rio Branco

INNER FORESTS

Rio Branco is the capital of the State of Acre, the westernmost state of the northern region of Brazil. Most of Rio Branco’s population is urban (92%), more than the state (73%) and national (84%) averages. The city administration must act to manage the growing urban population and avoid potential conflicts with the preservation of green areas and urban forests.

Rio Branco has 4.7 trees per kilometer of public streets – below the rate recommended by the Brazilian Society of Urban Forestation, of 100 trees per km. On the other hand, thanks to the city’s many squares and urban parks, Rio Branco has 10 square meters of green areas per inhabitant, one of the highest rates in North Brazil and close to the recommendation of the World Health Organization (12 square meters per inhabitant).

The City of Rio Branco recognizes the need for investments in relevant sectors (such as maintenance of urban parks and green areas, creation of new green spaces, expansion and modernization of support infrastructure, increasing urban vegetation, and the recovery of degraded Permanent Preservation Areas) in order to improve and extend the forests-city relationship.

NEARBY FORESTS

Rio Branco is at the heart of the Amazonian Rainforest, in a region that connects Brazil, Bolivia, and Peru, which makes the area strategic for regional integration. The urban area of Rio Branco represents only 2% of the municipal territory – the other 98% is rural area.

Rio Branco’s planning and public policies prioritize forests. Together with its Master Plan, the city developed the Economic, Environmental, Social and Cultural Zoning Plan. The plan optimizes the use of natural and socioeconomic resources by valuing local rural communities’ contributions, stories and culture. It is a key tool to guide urban planning policies and stimulate the conservation of nearby forests.

Due to these efforts, 69% of Rio Branco’s territory is covered by forests (INPE- Brazilian National Space Agency, 2018). Of this total, 30.4% are Protected Areas established by municipal laws, which are also part of the National System of Conservation Units.

STORY

Rio Branco Lets Graffiti Rule The Streets

Urban culture is important to Rio Branco, since 2007 the city has managed to bring together urban artists in hip-hop, graffiti, break, rap, skate, artistic-cultural-sports and have them play, draw, dance and move around the city.

Urban Arts Acreano (CAUA) was created in 2017 and pushed for the first RB Graffiti, supported by City Hall. The event brought together artists from Acre and the states of Rondônia, Paraná and, from the neighboring country, Bolivia.

In 2018, the Graffiti Municipal Law (Law No. 2,283) which regulates the use of urban space for urban art like graffiti made this art legal in Rio Branco. In the same year, the second edition of RB Graffiti, organized by CAUA supported by several public and private institutions, brought together more than 80 artists from 16 Brazilian states and 7 countries: Bolivia, Chile, Colombia, Peru, Ecuador, Italy and Nicaragua. The artists were invariably young people, a great number of female artists included, who seek to transform and revise urban space through art.

In its third edition, in 2019, more than 100 people from 17 states and 6 countries participated: Bolivia, Chile, Colombia, Ecuador, Mexico and Venezuela. The event was replicated in the second largest city of the state of Acre, Cruzeiro do Sul.

RB Graffiti always pays homage to the Forest Peoples and promotes a Culture of Peace. REFLORESTING PEACE was the theme for 2019. Once the art is made, it becomes one with the street, for those who pass through it, it begins to suffer alterations and interferences until it disappears, erased by time, or gives way to new art. The city changes every day and the graffiti changes with it.

“In Rio Branco, graffiti tells us what we have at its deepest: our identity. Urban art now translates and represents forest themes and reminds us that we are surrounded by 14 indigenous ethnic groups, hundreds of streams and rivers, flowers, leaves and logs.”

Sérgio de Carvalho, Director of the Municipal Foundation for Culture, Sport and Leisure Garibaldi Brazil

In 2019 and with the intention of recognizing the work of urban artists and their contribution to the City, Rio Branco City Hall launched the book “RB GRAFFITI”. A work that seeks to portray the spirit of society through its walls, creating sensations and meanings for those who pass by.

“Graffiti is characteristic of its brevity. This is why it is so important to re-register, document the panels, and collaborate with the graffiti artists. The book is a way of recognizing, not forgetting how these boys and girls embellish, humanize and exercise their critiques of contemporary problems. The book multiplies the duration of the good that art does in our city and for us citizens, who build our lives and our possibility of being happy in Rio Branco.”

Socorro Neri, Mayor of Rio Branco

Share the story

Diante das alterações resultantes das mudanças climáticas, a questão ambiental deve ser uma prioridade nas administrações públicas. Em sua experiência histórica secular, os rio-branquenses aprenderam que cuidar das florestas e do meio ambiente é, em primeira e última instância, a melhor maneira de cuidar das pessoas, daqueles que aqui vivem e amam a Cidade.

Na última década, Rio Branco passou por uma transformação urbanística radical. Vem implantando seu Plano Diretor, recém revisado, melhorando a qualidade de vida da população em diversos aspectos:

  • Reduziu o índice de irregularidade fundiária no perímetro urbano;
  • Consolidou a maior malha cicloviária per capita de cidades da Amazônia Brasileira;
  • Ampliou a quantidade de Parques Urbanos, de cinco para dez, com uma área total de mais de 2 milhões de m², especialmente com a implantação de parques lineares em fundos de vale;
  • Renovou a frota do transporte coletivo, com 100% de acessibilidade garantida para os usuários com deficiências e subsidia tarifa social para mais de 70.000 estudantes;
  • Planta, em média, mais de 3 mil árvores por ano ao longo das vias públicas;
  • Realiza manutenção permanente do paisagismo de mais de 200 pontos da Cidade, como praças, parques, rotatórias, canteiros, avenidas e ciclovias.

A adesão ao movimento Cities4Forests é entendida, pela gestão municipal, como uma possibilidade de ampliar a relação cidade-floresta, conceito que já é arraigado na cultura local e nas políticas públicas implementadas por Rio Branco.

“Integrar o Cities4Forest se constitui em mais um passo para fortalecer o compromisso de Rio Branco com as florestas. O desenvolvimento sustentável da sociedade apenas poderá ser feito assegurando a sustentabilidade do meio ambiente.”

Socorro Neri

Prefeita de Rio Branco

FLORESTAS INTERNAS

A atual taxa de urbanização de Rio Branco é de 92%, superior à média estadual (73%) e à nacional (84%). Na Capital, vive 46% do total da polução do estado do Acre. Neste contexto, a cidade de Rio Branco precisa ficar atenta para que o aumento da densidade populacional na área urbana não seja conflituoso com a manutenção de suas áreas verdes e de florestas internas.

Dados oficiais anunciam que Rio Branco possui 4,7 árvores/km de via pública, índice muito abaixo, quando considerado o recomendado pela Sociedade Brasileira de Arborização Urbana (SBAU) que é de 100 árvores/km.

Em que pese a Cidade não possuir tantas árvores ao longo de suas vias, seu Índice de Áreas Verdes (IAV) é de 10m²/habitante, um dos maiores da Região Norte, ficando muito próximo do que é recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), 12m²/habitante. O IAV de Rio Branco se mantém alto devido à existência de um complexo de praças e parques urbanos.

Esses dois indicadores medem a quantidade de árvores e áreas verdes de uma cidade, mas indiretamente estão relacionados com a qualidade de vida da população, pois viver em uma área urbana com espaços verdes tem um impacto positivo no bem-estar mental dos habitantes de uma cidade, além de trazer benefícios à saúde pública dessa população.

Reconhece-se a necessidade de investimentos expressivos nas áreas urbanas por meio da manutenção dos parques urbanos; da criação de novos espaços verdes; ampliação e modernização da infraestrutura de suporte e manutenção das áreas verdes; aumento da cobertura da vegetação urbana e recuperação de Áreas de Preservação Permanentes (APPs) degradadas, de maneira que a relação floresta-cidade seja ampliada.

FLORESTAS PRÓXIMAS

O município de Rio Branco está localizado bem no coração da Floresta Tropical Amazônica em uma área de integração entre o Brasil, a Bolívia e o Peru, o que torna esta região estratégica para a integração regional.

A área urbana de Rio Branco, compreende apenas 2% do total do Munícipio, ou seja, os outros 98% do território é área rural.

O planejamento e as políticas públicas elaboradas pelo Município, priorizam as florestas. Além do seu Plano Diretor, Rio Branco possui o Zoneamento Econômico, Ambiental, Social e Cultural (ZEAS) elaborado para otimizar o uso dos recursos naturais e socioeconômicos a partir das culturas e histórias das comunidades rurais, é uma ferramenta de planejamento territorial fundamental para orientar as políticas do setor e auxiliar a conservação das florestas.

Em função desta priorização e esforços, Rio Branco tem 69% do seu território coberto por florestas (INPE, 2018), sendo 30,4% constituídas por leis municipais em Áreas Protegidas, as quais também integram o Sistema Nacional de Unidades de Conservação.

HISTÓRIA

Arte urbana, traduz e representa temas das florestas

Rio Branco se tornou um importante centro do graffiti na Amazônia, graças às suas políticas de valorização das culturas urbanas iniciadas ainda em 2007, quando implantou o Sistema Municipal de Cultura e o Conselho Municipal de Políticas Culturais, trazendo visibilidade e promovendo a interlocução dos diversos segmentos do hip-hop, do graffiti, do break, do rap, do skate, manifestações artístico-culturais-esportivas praticadas de forma quase invisível nas periferias da Cidade.

Em 2017 foi criado o Coletivo de Artes Urbanas Acreano (CAUA) que promoveu o 1º RB Graffiti, prontamente apoiado pela Prefeitura. O evento reuniu artistas acreanos, dos estados de Rondônia e Paraná, e do país vizinho, Bolívia.

Em 2018 foi sancionada a Lei Municipal do Graffiti, Lei nº 2.283 que regulamentou o uso do espaço urbano para a prática do graffiti, tirando esta linguagem artística da clandestinidade. Neste mesmo ano aconteceu a 2ª edição do RB Graffiti, organizada pelo Coletivo CAUA e apoiada por diversas instituições públicas e privadas, reuniu mais de 80 artistas de 16 estados brasileiros e 7 países: Bolívia, Chile, Colômbia, Peru, Equador, Itália e Nicarágua. Os artistas invariavelmente são sempre jovens que buscam transformar e ressignificar o espaço urbano por meio da arte, na edição de 2018 houve uma intensa mobilização feminina.

Em sua 3ª edição, no ano de 2019, foram mais de 100 participantes de 17 estados e de 6 países: Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, México e Venezuela, o evento foi replicado ainda, na segunda maior cidade do estado do Acre, Cruzeiro do Sul.

O RB Graffiti tem sempre como tema a valorização dos Povos da Floresta e promove a Cultura de Paz, o tema trabalhado em 2019 foi REFLORESTANDO A PAZ. Uma vez feita a arte, ela passa a ser da rua, dos que por ali passam, começa a sofrer alterações e interferências até desaparecer, apagada pelo tempo, ou dar lugar a uma nova arte. A Cidade muda todos os dias e os grafites mudam com ela.

“Em Rio Branco, o graffiti nos fala do que temos de mais profundo: nossa identidade. A arte urbana passa a traduzir e representar temas da floresta e nos lembra que estamos cercados por 14 etnias indígenas, por centenas de igarapés e rios, flores, folhas e troncos.”

Sérgio de Carvalho, Diretor Presidente da Fundação Municipal de Cultura, Esporte e Lazer Garibaldi Brasil

Ainda em 2019 e com a intenção de reconhecer o trabalho dos artistas urbanos e a sua contribuição para a Cidade, a Prefeitura de Rio branco, lançou o livro “RG GRAFFITI”. Uma obra que busca retratar o espírito da sociedade por meio de seus muros, criando sensações e significados para quem por ali passa.

“É característico do graffiti sua brevidade. Por isso é tão importante registrar, documentar os painéis, mutirões dos grafiteiros. O livro é uma forma de reconhecer, não esquecer como esses meninos e meninas embelezam, humanizam e exercem suas críticas sobre os problemas da contemporaneidade. O livro multiplica a duração do bem que a arte faz em nossa Cidade e para nós cidadãos, que construímos nossas vidas e nossa possibilidade de sermos felizes, em Rio Branco.”

Socorro Neri, Prefeita de Rio Branco

Compartilhe a história

info_white

For more information about our work with São Paulo, please contact the focal point, Lara Caccia

É fundamental que o planejamento das cidades resulte na conservação paisagística e na convivência harmoniosa entre os habitantes e seus componentes urbanos e florestais. A Prefeitura de São Paulo direciona políticas públicas que conciliem a conservação das florestas urbanas e sua biodiversidade com o desenvolvimento econômico e cultural do município. O objetivo é que a população paulistana desfrute de uma cidade bem arborizada, ecologicamente equilibrada e saudável, garantindo sua reconexão com a natureza.

Com mais de 1.500 Km², a cidade de São Paulo está inserida no bioma da Mata Atlântica, que ocupa aproximadamente 40% do território paulistano. Considerando a mitigação das alterações climáticas e a preservação de nossas áreas verdes, além da manutenção da nossa rica biodiversidade, participar da Cities4Forests proporcionará troca de experiências e estímulo para novas ideias a serem aplicadas em São Paulo.

“É uma satisfação para a Prefeitura de São Paulo fazer parte do Cities4Forests. Nossa participação fortalecerá os esforços dedicados no alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS e na gestão para a conservação da Mata Atlântica, que é atualmente um dos biomas mais ameaçados do mundo. São Paulo investe intensamente nos planos de preservação das áreas verdes e na arborização da cidade com espécies nativas da Mata Atlântica, que proporcionam diversos benefícios ecológicos, estéticos, econômicos e sociais.”

Bruno Covas

Prefeito de São Paulo

FLORESTAS INTERNAS

Com um extenso território e sendo a capital mais populosa do país, São Paulo necessita cada vez mais de mais de áreas verdes e arborizadas. O território da Cidade de São Paulo, originalmente coberto pela Mata Atlântica com sua rica fauna e flora encontra-se atualmente reduzido a aproximadamente 7,84% de sua área original, sendo um dos biomas mais ameaçados do mundo.

Visando atender essa demanda em busca da convivência harmoniosa entre os habitantes e os componentes urbanos e priorizando as regiões com menor cobertura arbórea, a Prefeitura estabeleceu metas para plantio de mudas nativas da Mata Atlântica e implantação de novos Parques. São muitos os obstáculos encontrados principalmente pela ocupação desenfreada e falta de planejamento histórico de crescimento.

Neste sentido, São Paulo tem entre suas diversas metas capacitar e qualificar os profissionais responsáveis pela arborização da cidade, bem como desenvolver e implantar os Planos Municipais de Áreas Protegidas, Áreas Verdes e Espaços Livres; de Conservação e Recuperação de Áreas Prestadoras de Serviços Ambientais; e de Arborização Urbana — previstos no Plano Diretor Estratégico da Cidade —, bem como estruturar o Sistema de Áreas Protegidas e Áreas Verdes e Espaços Livres. Esses esforços buscam a promoção de interligações entre os espaços livres e áreas verdes de importância ambiental, melhorando a conectividade entre parques e áreas verdes públicas e particulares, priorizando o uso de espécies nativas e atrativas à fauna.

Ainda, São Paulo possui 107 Parques Municipais: Parques Urbanos com a função de proteger trechos de vegetação no perímetro urbano, permitindo a contemplação e atividades esportivas, culturais e de lazer; Parques Lineares com a função prioritária de proteger as margens dos rios e córregos, oferecendo recursos para a prática esportiva e o lazer; e as Unidades de Conservação com o objetivo de proteger flora, fauna e os remanescentes de vegetação significativa da cidade, sendo classificadas como Áreas de Proteção Integral ou de Uso Sustentável.

FLORESTAS PRÓXIMAS

Região sul da Cidade de São Paulo está situada majoritariamente na Área de Proteção e Recuperação de Mananciais e conta com sete Unidades de Conservação – UC’s, sendo duas dessas Áreas de Proteção Ambiental que totalizam 22,341% do território de São Paulo, equivalente a 34.098,89 hectares – e seis Parques Naturais, equivalente a 1.554,10 hectares. Na região norte a Cidade abriga o seu maior Parque Urbano municipal, com 950 hectares, além do Parque estadual da Cantareira, com quase 8 mil hectares.

To apply for this job email your details to gary@revolve.media